Informativo

Cobb debateu tendências para redução de custos de dietas de frangos em webinar

19/06/20

Os mais recentes estudos para formulações de dietas de frangos com custos mais baixos foram destacados pelo médico veterinário e especialista em Nutrição da Cobb-Vantress, Vitor Hugo Brandalize, em webinar promovido pela empresa para profissionais da avicultura. A transmissão foi feita ao vivo para Peru, Bolívia, Equador, Chile, Paraguai, Venezuela, Argentina e Uruguai. 

Durante o debate, o especialista defendeu uma tendência de redução dos níveis de energia acompanhada de aumento nos níveis de aminoácidos em dietas de frangos como estratégia para redução de custos da dieta. Ele salienta que é importante que o nutricionista esteja atento a fatores como conversão alimentar e manejo adequado.

 

Impactos da pandemia de Covid-19 na produção avícola

O especialista abriu sua apresentação destacando três fatos que ocorrem no mundo que mudam os rumos da humanidade: guerras, pandemias e revoluções. “As coisas mudam mais rápido depois desses problemas. E essa pandemia vai afetar todo o nosso negócio. Todos as pessoas (do negócio) terão efeito negativo. Mas a coisa boa é que depois disso deveremos mudar mais rápido”, pontuou. Por isso, pensa, é um momento importante para fazer mudanças rápidas na vida e nos negócios.

Brandalize mostrou que, na avicultura, os custos aumentaram enquanto o consumo e os preços reduziram. Com informações do Fundo Monetário Internacional (FMI), ele alertou que a pandemia é um choque muito grande, já que ninguém sabe sua duração e intensidade e defendeu medidas de contenção. “Por essas incertezas, é importante reduzir os custos de produção”. No entanto, sugere, o consumo de ovos e carne de frango tem um diferencial entre outras proteínas, que é o custo acessível. “O consumo de frango sempre seguirá forte”, reforçou.


Energia e Aminoácidos

O impacto da energia na nutrição foi realçado diante do aumento nos custos do milho e da soja. “Os custos dos grãos deverão se manter em níveis mais altos”, apontou o especialista lembrando que o Brasil tem um dos milhos mais baratos entre os produtores. “O Brasil tem custo médio de US$ 200 dólares por tonelada de ração. Nos Estados Unidos este valor é de US$ 228 e no México chega a US$ 252”, exemplificou destacando que, desde 2014, está produzindo dietas mais baratas e que “hoje, Brasil e Estados Unidos têm os mesmos níveis de energia nas rações”.

Uma oportunidade para reduzir ainda mais os custos no Brasil, em sua opinião, é aumentar os níveis de aminoácidos, como a lisina. No entanto, por ter mais músculos a cada ano, a ave precisa de aminoácidos. Por isso, destacou, geneticistas estão debruçados sobre a conversão alimentar. “A energia e a proteína (grãos e aminoácidos), que custam 85% da dieta, não devem voltar a patamares mais baratos. Por isso, é preciso focar nos 15% restantes, que incluem, em boa parte, o manejo dos animais. Se os frangos não têm enfermidades, estão em bom ambiente, é uma forma de economizar energia para síntese de tecidos”, defendeu.

Brandalize apontou que em aves mais jovens, a energia corporal é mais baixa. Depois, ela tende a aumentar, pois aumenta a deposição de gordura quando ele é mais velho e a gordura tem mais energia. A partir dos 25 dias, aproximadamente, ele responde melhor aos níveis de energia. Por isso, sustentou, é melhor investir em energia (grãos) quando o animal é mais velho, pois come mais e melhora a conversão alimentar. Frisou, no entanto, que há de se fazer avaliação nas dosagens, que estão cada vez menores.

“O cenário é desafiador e a tendência é formular dietas com níveis cada vez menores de energia. Estamos reduzindo energia e aumentando os aminoácidos a cada ano”, pontua.

Segundo Brandalize, o peito do frango tem em média 22% de proteína. “E o aminoácido mais importante é a lisina”, reforçou. Apresentou estudos recentes nos quais um aumento na formulação de lisina significou aumento nos custos, mas também maior ganho de peso, melhor conversão alimentar e melhora do rendimento de carcaça”, pontuou.

Em outro experimento da Cobb sobre aminoácidos conduzido nos Estados Unidos, destacou que o ganho de peso e a conversão alimentar foram maior com aumento de aminoácidos. “É uma grande oportunidade que temos aqui”, cravou. “Quando aumentamos aminoácidos, aumentamos o rendimento de peito”, ampliou. “Concluindo, aumentando aminoácidos e reduzindo a energia é um tratamento mais econômico”, sugeriu Brandalize.


Promotores de crescimento

Usar ou não promotor de crescimento é uma decisão comercial, mas as primeiras empresas pensaram em agregar valor aos produtos. “Foi marketing”, pontuou. De acordo com ele, hoje 55% dos frangos são produzidos em sistema livre de antibióticos.

Para Brandalize, uma boa saúde intestinal da ave é fundamental para economizar o consumo de energia da dieta. “Porque os promotores de crescimento são importantes? Por que os sistemas gastam muita energia. A grande concentração do sistema imune está no intestino. Quando temos desafio, há gasto de energia. É importante proteger o intestino para prevenir gasto de energia”, aponta.

De acordo com ele, uma inflação leva a ave a reduzir o consumo de alimento e, consequentemente, seu desempenho. “Antibióticos controlam as bactérias, agem como anti-inflamatórios”, reforçou. Para ele, sanidade, matéria-prima de qualidade, bom manejo e trabalho em equipe são estratégicos para melhorar a relação de custos em dieta.

Para encerrar a webinar, o palestrante Vitor Hugo Brandalize respondeu algumas das dezenas de perguntas que foram enviadas durante a transmissão. Outras perguntas foram respondidas posteriormente aos internautas. O webinar promovido pela Cobb teve a moderação do gerente Sênior de Serviço Técnico da Cobb-Vantress na América do Sul, Luciano Keske, do diretor Associado de Serviço Técnico da Cobb na América do Sul, Marcus Briganó e do diretor Associado de Marketing da Cobb na América do Sul, Cassiano Bevilaqua.

Esta apresentação, realizada através da plataforma Zoom, foi a segunda de uma série de 10 webinars realizados pela empresa até o último dia 15 de junho.

Fonte: Site - Portal do Agronegócio

Área do Associado

Cadastre seu e-mail

Receba nosso boletim informativo diretamente no seu e-mail.