Informativo

Estudo alemão mostra que covid-19 não infecta aves e suínos

27/04/20

O  novo Coronavírus, SARS-CoV-2, que originalmente se acreditava ter se originado de morcegos ocorreu em humanos na China há cerca de três meses, levando posteriormente a atual pandemia. Vários institutos de pesquisa em todo o mundo estão investigando SARS-CoV-2 também pode infectar outras espécies animais.

O Instituto Federal de Pesquisa em Saúde Animal da Alemanha, o Friedrich-Loeffler-Institut ( FLI ), iniciou estudos de infecção em suínos, frangos, morcegos e furões há várias semanas. Os primeiros resultados mostram que os morcegos e furões são suscetíveis à infecção por SARS-CoV-2, enquanto os suínos e frangos não. A suscetibilidade dos furões, em particular, é um achado importante, pois eles podem ser usados ??como animais modelo para infecção humana para testar vacinas ou medicamentos.

Nos estudos de infecção, os por via nasal com SARS-CoV-2 para imitar a via natural de infecção em humanos via nasofaríngea. Os morcegos egípcios, uma espécie de megabat, foram animais foram inoculados testados para obter conhecimento sobre a função suspeita de reservatório dos morcegos. Esses animais foram infectados, mas não apresentaram nenhum sintoma de doença e não infectaram seus semelhantes com eficiência.

Segundo o estudo os furões são um bom modelo para os seres humanos para outras infecções respiratórias, especialmente aquelas causadas por vírus influenza. Como o SARS-CoV-2 se replica principalmente no trato respiratório, os furões também podem ser um modelo adequado para esta infecção. Atualmente, esse modelo animal que reflete a infecção humana. As experiências da FLI mostram que os furões podem ser eficientemente infectados com SARS-CoV-2, o vírus se replica bem e pode ser transmitido a outros animais. O vírus se replica principalmente no trato respiratório, mas os animais não apresentaram sintomas da doença. Isso fornece um modelo de infecção que pode ser útil no teste de vacinas e medicamentos contra o SARS-CoV-2.

Os animais de produção, em particular, estão em contato próximo com os seres humanos. Portanto, porcos e galinhas foram testados quanto à suscetibilidade à SARS-CoV-2. Foi examinado se os animais são infectados, se  o patógeno se replica e se os animais apresentam sintomas de doença. O trabalho visa a prevenção, diagnóstico e controle de doenças animais, a melhoria do bem-estar animal e da nutrição animal, bem como a preservação e uso dos recursos genéticos dos animais de criação.

Sob condições experimentais, nem porcos nem galinhas foram suscetíveis à infecção por SARS-CoV-2. De acordo com o estado atual do conhecimento, eles não são afetados pelo vírus e, portanto, não representam um risco potencial para a saúde humana. A avaliação completa de todas as séries de testes levará algum tempo; os resultados finais são esperados no início de maio.

Estudo Chinês

Outro  estudo, realizado por um laboratório chinês, também apontou a não infecção por suínos e aves. O pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Luizinho Caron, contou que o referido estudo inoculou animais com o vírus, porém esses animais inoculados não eliminaram o COVID-19 em suas secreções, ou excreções e também não foram capazes de transmitir para outros suínos que foram colocados em contato com estes inoculados, o mesmo aconteceu com galinhas e patos. “Não é um estudo amplo, que poderia nos dar uma resposta definitiva, mas é um indicativo importante de que os suínos não se infectam com o vírus, o que é uma boa notícia.”, comentou.

O pesquisador disse que um segundo estudo realizado com os genomas do COVID-19, PEDV (Vírus da Diarreia Epidêmica Suína), TGEV (Vírus da Gastrenterite Transmissível) e outros sugere que o COVID-19 poderia ser o produto da recombinação de fragmentos do genoma destes vírus e outros coronavírus em suínos e/ou camundongos na região de Wuhan, na China “Algo que também carece de provas mais sólidas, pois é um estudo inicial por modelagem e estudo dos genomas dos referidos coronavírus. No entanto, estes estudos nos permitem reforçar sobre a importância de manter uma boa biosseguridade nas granjas de suínos”.

 

Fonte: Site - Avicultura Industrial

Área do Associado

Cadastre seu e-mail

Receba nosso boletim informativo diretamente no seu e-mail.